O encontro possível

“Trago dentro do meu coração, Como num cofre que se não pode fechar de cheio, Todos os lugares onde estive Todos os portos a que cheguei, Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias, Ou de tombadilhos, sonhando, E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero. (Fernando Pessoa) Lendo Fernando Pessoa, se abriram em mim várias associações que me fizeram pensar sobre o que é preciso para que uma pessoa inicie um processo psicoterapêutico. Provavelmente um conflito que não se cala, uma busca de amor e sentido na vida, talvez um desejo de se conhecer mais e melhor. O certo é que, independente do motivo, em algum lugar houve um desencontro, uma palavra não dita ou não ouvida, se instalando aí uma angústia que faz sofrer. E o que é psicoterapia? É uma relação entre duas pessoas, elas mesmas. Ponto. Simples expressão do senso comum, mas, por outro lado, repleta de possibilidades. É o encontro a que se propõe paciente e psicoterapeuta no sentido de embarcar, viajar, abrir caminhos, procurar tesouros escondidos, respostas jamais imaginadas. Portanto, é um encontro possível de ser vivido onde aquilo que o paciente traz encontrará acolhimento. É também um possível campo de desenvolvimento, naturalmente levando-se em conta o embasamento teórico e prático dos grandes mestres psicanalíticos. O encontro possível: o de si mesmo! Referências: GENTILEZZA, Luciana. Cataventos do Sentir: o trabalho psicanalítico com crianças. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007 MONTAGNA, Plínio. Além da transferência e da contratransferência: o encontro. Revista Brasileira de Psicanálise, São Paulo, volume 35, nº 3, p. 531-542, 2001

#psicanálise #psicoterapia

Publicações Recentes
Destaque
Publicações 
  • Google ícone social Places
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon